Almoço delivery by Arcádia

O Arcádia em Casa, braço de encomendas do Arcádia Recepções, um dos bufês mais tradicionais e bacanas do Recife, aderiu ao almoço entregue em domicílio. O cardápio aposta suas fichas no tradicional bem executado – proposta mais adequada para o horário, penso eu. Almoçar rima com casa.

Há opções de entradas, pratos, sobremesas, congelados e molhos.

Salada de camarão com quinoa. Foto: @peuhatz

Pra começar a conversa, Caponata sobre torradas italianas – R$ 18,00 e R$ 36,00, solo e para dois, respectivamente. Entre os pratos, agrada-me bastante o Lombo cozido no bafo ao molho madeira guarnecido por batatas barquinho ao forno com ervas – individual R$ 39,00, dois R$ 70,00, e o clássico Filé mignon fatiado ao molho champignon com arroz piamontese – R$ 60,00 uma e R$ 86,00 duas pessoas. Dos congelados, pediria o Ravioli de queijo – R$ 30,00 e o Folhado de frango – R$ 50,00, ambos com 500g. As sobremesas são simpáticas. Tortinha ganache de chocolate – R$ 25,00, Tortinha de limão – R$ 22,00, Tortinha Bem Casado – R$ 25,00, 350g as três. Ainda é possível comprar 200g de molhos pomodoro, queijo, madeira e pimenta – todos por R$15,00.

A tradição é o forte, mas há concessões interessantes: a vegana Moqueca de Palmito – R$ 32,00 e a Mariscada Pernambucana com farofa de dendê – R$ 43,00, são ótimas e fartas. Pega leve? Peça a Salada de quinoa com camarão na manteiga, temperada ao molho pesto – R$ 38,00 para uma pessoa, R$ 59,00 duas. Preços justos, não?

Serviço

Atende Pina, Boa Viagem e Piedade. Funciona de terça a domingo, das 11h30 às 15h. Pedidos pelo http://www.arcadiaemcasa.com.br / 97101.0176.

*** Segue o cardápio completo.

Sentimentos de quarentena. André Wanderley

“Em frente, pois o novo nos aguarda.

Nestes dias, já faz mais de 65 deles que me encontro enclausurado num retiro imposto onde a única opção é a do convívio solitário comigo mesmo, entendi que não estamos enfrentando um único vírus. Existem outros que sempre nos permearam, mas preferíamos ignorar as suas existências. Fazíamos isso sempre nos furtando em olhar mais atentamente para nós mesmos e ainda em só se importar, predominantemente, com o que nos era oferecido como certo, aceitável e promissor.

É bem possível que entender estes vírus, ou questionamentos, ou anseios existenciais, ou prospecções de futuros dados como incertos ou nebulosos eram, ‘perda de tempo’, inaceitáveis na velocidade que o mundo insistia em correr. Tempo para nada e tudo num mesmo tempo.

Estou morando em São Luís do Maranhão há um ano e meio. Vim para trabalhar e tenho descoberto que lugar certo nas nossas vidas é exatamente onde somos produtivos, focados e pertencentes a propósitos maiores do que nossos desejos pessoais. Sinto-me em casa.

E é nesta casa, precisamente um apartamento de sala com varanda, quarto, banheiro e cozinha, que me isolo comigo mesmo e algumas plantas, tendo descoberto tantos outros detalhes de mim; dos pequenos do dia a dia, até consolidações de afirmativas companheiras de tempos. Aproximo-me de certezas. Entre elas, a que os outros são importantíssimos nas nossas vidas. Outros naturalmente selecionados, despreocupadamente fraternos.

E esses outros são feitos, assim como eu, de erros e acertos, formas e cores, gêneros, cheiros e olhares, pensamentos e gestos, opiniões, desejos e dúvidas, alegrias e tristezas, infinitamente diversos, diferentes, ricos, instigantes, respeitosos e plenos. Nada é por acaso e todos tem a sua importância.

O home office se fez realidade, vídeos conferências uma rotina, mensagens e e-mails necessidades ainda mais latentes. Ouvir e ser ouvido, atentamente, captura uma nova forma de se comunicar eficientemente. Incrível isto: ouvir, ato espontâneo do humano, é considerado uma nova forma de eficiência. Não deveria ser, desde sempre, assim?

Falam do novo normal. Acredito nele. Não é fácil, pois de tão novo, pouco pode se dizer sobre ele. Será construído e não imposto. Alguns muitos, relutantes, presos no que eram há menos de três meses, não o perceberão e não querem acreditar. Acredite, será inevitável.

Diferente de outras guerras mais visíveis, nesta a reconstrução será do indivíduo.

Acordei hoje como tenho acordado: inseguro e ansioso. Rezo de imediato, às vezes choro, mas sempre me apoio na luz do dia e encontro forças que nem sei de onde vêm. Apenas vêm.

Força, Foco e Fé.

Em frente, pois o novo nos aguarda”.

André Wanderley
São Luís, 24 de maio de 2020.

André Wanderley é arquiteto.

Como os pais podem auxiliar os filhos nos estudos online durante a pandemia?

Desde abril as escolas públicas da rede municipal de Olinda estão utilizando plataformas digitais por conta da pandemia causada pela Covid-19. O objetivo é manter os estudantes com atividades educacionais de maneira remota por intermédio dos professores, sem esquecer do suporte fundamental dos pais.

Cerca de 300 professores e coordenadores pedagógicos que atuam em 60 escolas da Rede Municipal de Olinda no Ciclo da Alfabetização (turmas de 1º e 2º anos do Ensino Fundamental) participaram dos cursos de formação específicos para atuação remota. As atividades acontecem nas plataformas desenvolvida pelo Núcleo de Tecnologia da Secretaria de Educação de Olinda. Mas sem o engajamento e a  presença ativa dos responsáveis, o rendimento dos estudantes pode ficar comprometido. Este suporte dado pelos pais é também um momento importante para o fortalecimento dos laços familiares. Abaixo seguem algumas dicas para ajudar os pais nessa nova maneira de auxiliar na educação dos filhos.

É importante para os pais:

– Conhecer o ambiente virtual de estudos dos filhos;

– Acompanhar as atividades trabalhadas pelos professores;

– Ajudar na correção das atividades;
– Revisar com os filhos os conteúdos aprendidos;
– Passar, quando possível, exercícios de fixação;
– Motivar os filhos a se adaptar ao contexto atual;
– Estimular atividades lúdicas para relaxamento dos filhos.

Em um cenário normal quando existe um excesso de atividades profissionais  desempenhadas pelos responsáveis, nem sempre é possível acompanhar de perto o desenvolvimento educacional dos estudantes. Pequenas ações como essas irão ajudar os alunos a se manter focados e dispostos a continuar aprendendo e desenvolvendo suas cognições e conhecimentos.

Hospital das Clínicas da UFPE inicia campanha com personalidades pernambucanas

O Hospital das Clínicas da UFPE lançou a campanha #JuntoscomHCUFPE – uma iniciativa que busca valorizar e reconhecer o trabalho dos profissionais do hospital universitário que estão atuando no enfrentamento da Covid-19. O HC é uma unidade vinculada à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

A ação consiste na divulgação de vídeos com mensagens de apoio e reconhecimento, gravados por artistas, atletas e jornalistas pernambucanos. As mensagens são divulgadas no perfil do Instagram do HC-UFPE (https://www.instagram.com/hc.ufpe/) e no canal do hospital no YouTube (https://www.youtube.com/channel/UCrVA6o7ULX-qbaKHmjIch8g/).

Quem abriu a série de vídeos foi o cantor e compositor Lenine. Confira no link: https://www.youtube.com/watch?v=C5Y5_p5hDdo

Sentimentos de quarentena. Rogerman

“Começo a crer que a crise do corona vírus provocará grandes mudanças no comportamento social. As maiores dos últimos tempos.

Primeiro, por nos lembrar quão frágil somos e geralmente esse tipo de experiência resgata nas pessoas o sentido de brevidade, que o estilo de vida moderno é eficaz em nos fazer esquecer.

Segundo, recupera o senso de comunidade que estava completamente perdido. O individualismo crescente foi sacodido com a necessidade do trabalho em grupo, da mobilização coletiva para um bem comum. O povo se viu unido pela ameaça de um agente externo, invisível e sem anticorpos para frear seu avanço.

Temos que tirar um grande aprendizado dessa crise. Em um país onde a pobreza e vulnerabilidade de grande parcela da sua população é evidente, o Estado tem que ser presente, atuante, eficaz. Políticas sociais evitam ou atenuam muito crises como a que vivemos, elevam o gasto da população no comércio, gerando um ciclo virtuoso onde todos ganham”

O que a quarentena mudou em você?

“Me fez pensar melhor”.

Rogerman é compositor e cantor.
📸 @mirthys_bezerra

Sentimentos de quarentena. Maristela Beltrão

“Era 18 de março quando Edgard pediu para que eu escrevesse sobre o impacto da quarentena na minha vida. Fazia apenas uma semana que eu estava em casa e isso não era novidade para mim e foi sobre o que escrevi.

Já faz tempo que optei por uma vida mais reclusa e porque moro só e trabalho em casa, descobri que gosto muito de conviver comigo e que tenho muito prazer na solidão. Ok. Agora, mais de dois meses depois, confesso que não me desesperei, mas tive momentos de grande tristeza, angústia e choro. Sim, muito choro e depois passou. Procurei meio que criar uma rotina de leitura, caminhadas no estacionamento do prédio, estudo, de falar com meu filho e família por telefone e fazer vídeos com amigos – às vezes rola até caipiroska.                            

Esse pode não ser o melhor momento da vida, mas acho que seja um bom momento para exercer a generosidade, aprender a dividir, investir no autoconhecimento. Organizar gavetas e a cabeça. Deixar a casa cheirosa e linda. Também acho que seja um bom momento para descobrir quem faz falta e quem sente a sua falta.

Pensando bem, não está sendo tão ruim como parecia ser. E no mais, vamos ficar em casa com a certeza de que vai passar”.

Maristela Beltrão é fotógrafa, editora da Revista Club e terapeuta de perdas e luto.

Escola Pernambucana de Circo lança a campanha “Circo em frente de casa”

A Escola Pernambucana de Circo (EPC), localizada no bairro da Macaxeira, zona Norte do Recife, está com as suas atividades suspensas devido à pandemia do novo coronavírus. Porém, a escola lançou na plataforma Benfeitoria, a campanha “Circo em frente de casa”, que consiste em uma série com 30 apresentações de palhaços da trupe da escola, a Trupe Circus, para comunidades da zona Norte do Recife. Os artistas circenses farão esquetes artísticas e de conscientização, abordando, de forma educativa e lúdica, as formas de prevenção e de higiene para evitar o contágio do vírus.  

Sem aglomerações, respeitando as distâncias e usando os protocolos de segurança recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), os artistas vão ensinar a forma correta de lavar as mãos, usar as máscaras, usar o álcool gel e fazer a limpeza da casa. Para tal, eles vão usar os elementos da arte circense como malabares, bola de equilíbrio e apresentações com palhaços, levando informação e entretenimento às famílias. O público poderá assistir às apresentações das suas janelas, varandas e terraços. Durante a ação, ainda serão distribuídos kits de higienização para as famílias.

ESCOLA PERNAMBUCANA DE CIRCO – A Escola Pernambucana de Circo (EPC) é a única escola em todo o Estado de Pernambuco voltada ao ensino da arte circense para crianças e jovens das comunidades do Recife e Região Metropolitana. Possui 24 anos de atuação com a pedagogia do circo social, e atende a mais de 140 crianças, adolescentes e jovens.

Há mais de 15 anos, a EPC formou um grupo profissional, a Trupe Circus, que atualmente possui 30 artistas circenses e tem mais de dez espetáculos em seu repertório. As apresentações de espetáculos, oficinas pedagógicas, eventos corporativos, e recepção de festas são serviços que mantêm mais de 40% da manutenção com as despesas com a sede e com a folha de pagamento dos funcionários. O valor restante vem dos editais das quais a escola participa e que estão suspensos no momento. Vale ressaltar que a EPC não recebe nenhum apoio de órgãos públicos ou privados e que a ajuda a essa categoria é de importante valor para toda a classe artística.